A jornada foi longa, mas a satisfação em vê-la cumprida nos toma de felicidade. O que, tempos atrás, parecia-nos distante é, hoje, presente. Noites a fio assistimos, juntos, passar o tempo que parecia infindável… Esse tempo soma, agora, calendário passado. A meta inicial era a conclusão do curso e a ela somaram-se amizades, festas, risadas, amores… A vontade de tornar o objetivo realidade deparou-se com o receio da despedida. E que sabor despertarão as noites do futuro? Sem dúvida, o inconfundível gosto da saudade do já vivido, do amigo ausente e de palavras que, aos poucos, escorrem em lágrimas. Mas a despedida muda o tom quando a certeza do reencontro permanece viva.

“Se em horas de encontro pode haver tantos desencontros, que a hora da separação seja, tão somente, a hora de um verdadeiro, profundo e coletivo encontro. De tudo ficarão duas coisas: a certeza de estar sempre começando e a certeza de que é preciso continuar. Fazer da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sonho uma ponte, da procura um encontro”.

(Adaptação do texto de Fernando Sabino)